terça-feira, 20 de dezembro de 2011

Oficina de Timbres - Acedo AA 290


Olá PessoALL,
Acedo Audio - AA 290

É com muito prazer que anuncio meu novo setup de guitarra, totalmente analógico!

Depois de vender as pedaleiras e simuladores que me acompanharam por mais de 3 anos, finalmente me rendi aos prazeres dos ouvidos e decidi comprar um amplificador valvulado.

A escolha não foi nem um pouco fácil, mas levei principalmente em consideração o fato de que a potência adequada para os lugares onde toco não deveria ser muito grande, pois geralmente o amplificador é microfonado. Nessa, já descartei os modelos que mais gostaria (Marshall, é claro!) e comecei a buscar outras alternativas.


Me deparei então com os fabricantes de réplicas de modelos famosos e algumas marcas nacionais, dentre elas, a Acedo Audio, com um modelo (AA 290) realmente muito atraente - tanto pela potência, recursos quanto pelo preço. Outros fatores decisivos foram os timbres que ouvi pela internet, a excelente reputação do Paulo Acedo - fundador da marca - e principalmente pelo atendimento diferenciado. Conversar com quem realmente entende do assunto me fez decidir pela marca e pelo produto. E acertei em cheio!


Painel do AA290
Depois de cerca de 55 dias meu amplificador ficou pronto e pude perceber o que as válvulas poderiam fazer na alma de um guitarrista mortal.

O som é simplesmente maravilhoso. A potência, que no começo era o meu receio (só 20W) na verdade parece mais do que eu precisava - e olha que a igreja onde toco é muito grande (cerca de 2000 pessoas por culto)!!!

O ampli é muito versátil, e vai bem no Blues com o canal Clean e no Crunch.


No canal High Gain dá para explorar bastante as bases e rifs e solos com os sons bem definidos que ele proporciona, mas para ficar legal mesmo é bom usar um boost limpo para dar aquela saturada típica de Hard Rock dos anos 80.
Para um rock mais moderno, usar um Overdrive em qualquer dos canais é suficiente para atender a qualquer gosto. Enfim, esse ampli não deixa nenhum roqueiro na mão!

Fiz alguns vídeos para mostrar o AA 290 em ação.
Aqui vão:


Canal Clean
- Sem efeitos:


Canal Crunch
- Delay Echo Park da Line 6
- Fuzz Universe - clean boost, da Majik Box, nos tappings
- Boost de médios  do próprio ampli, nos acordes cheios
- Canal Crunch


Canal High Gain
- Delay Echo Park da Line 6
- Fuzz Universe - clean boost, da Majik Box
- Fuzz Universe - overdrive, da Majik Box
- Boost de médios  do próprio ampli, nos acordes cheios
- Canal High Gain


E abaixo mostro meu novo set - ainda pequeno - mas bem funcional para as situações que necessito no dia-a-dia, e é composto pelos seguintes pedais:
  • TC Eletronics PolyTune
  • Ibanez Airplane Flanger AF2 - Paul Gilbert
  • Majik Box Fuzz Universe - Paul Gilbert (nem curto o som do cara rsrsrs)
  • Line 6 Echo Park
Meu pedalboard - só falta o Crybaby Classic

As guitarras continuam as mesmas:
  • Ibanez RG 570 Japonesa (DiMarzio Tone Zone / Paf Pro)
  • ARS Custom Fireman FR100 TR (DiMarzio Virtual Vintage Area 67, Area 67 e Injector Bridge)
Também quero mandar um abraço ao Paulo Acedo e parabenizá-lo pelo primor de trabalho que foi este amplificador. Muito obrigado!

É isso aí pessoal, espero que curtam esse material e ajude a divulgar estas excelentes marcas de fabricantes nacionais que merecem muito do nosso respeito e reconhecimento.

Flw!

16 comentários:

Francisco Bento Luciano disse...

Grande Leandro , Seu set ficou super bacana !!!
Parabéns ...

Leandro C. Almeida disse...

Vlw Chicão!
Vc precisa ver ele ao vivo! Bem legal :d

E o seu, já deve estar gigante hein?!
Abs!

Vinícius Alonso disse...

E ai cara, ja dei umas olhadas no seu blog e achei demais! Sobre esse afinador Tc Electronic Polytune, é bom mesmo? E o True Bypass dele, faz diferença mesmo?

Anônimo disse...

Muito bom seu setup leandro, cara gostaria de saber sobre o som "limpo" do amp (não precisa ser igual o fender), se dar pra tocar num lugar para 200 pessoas sem microfonar? vlw, abç!

Leandro C. Almeida disse...

Olá Vinicius, blz?!
Cara, o Polytune é o melhor afinador que já tive, mesmo se comparando com os afinadores da GT-10 ou POD HD. O true bypass dele é como o de todos os outros pedais - ou seja, não interfere em nada no sina.
Abs

Leandro C. Almeida disse...

Velhinho,
Em um lugar para 200 pessoas acho que até dá prá tocar com o ampli, mas com o volume perto do limite.

Na verdade, o problema de tocar assim é que você terá um som muito alto nas primeiras fileiras e um som baixo nas últimas. E, detalhe - o ampli deve ficar direcionado para o público, sem ninguém na frente. Senão, não espere milagre.

Abs!

Filipe dos Santos disse...

E aí Leandro, tudo certo?
Estou de olho nesse AA290 já faz algum tempo, mas sempre tenho dúvidas quanto ao CLEAN do amp.

Eu toco em igreja tbm no formato power trio, então volta e meia eu começo uma música como se fosse uma batida de violão, pra depois entrar numa base com drive. Pelo o que eu vi no teu vídeo mostrando o canal clean, ele tem um mínimo de crunch né?

Eu toco com o amp virado pra mim, e microfono ele. É possível chegar a uma regulagem 100% clean em um volume legal, a ponto de conseguir me ouvir com banda? O volume totalmente clean é alto?

Obrigado!

Leandro C. Almeida disse...

Olá Filipe,
Cara o clean dele é maravilhoso. Mas infelizmente a qualidade da camera não permitiu mostrar isso, pois o chiado - não é crunch, veio dela, pelo estar muito alto e posicionada perto do ampli.

Ele começa a crunchar de leve com o volume ás 3hs, consideravelmente alto. Mas mesmo com o volume ás 5hs (máximo), ainda dá prá limpar o timbre, sem perder tanto volume, apenas reduzindo o POT da guitarra. Perde um pouco de grave avelulado, mas ainda é um belo timbre.

Estou cada vez mais apaixonado pelo timbre do ampli. É mto animal mesmo.

Eu toco em uma igreja de mais ou menos 2 mil pessoas com ele microfonado (virado para mim). O volume fica um pouco acima da metade. Se eu atolar o volume, não ouço os demais... hehehehe

Vai na fé que o ampli é de primeira mesmo.

[ ]'s

Filipe dos Santos disse...

Obrigado pela resposta Leandro!
Agora definitivamente, depois do seu comentário, estou decidido a comprar meu 290, rs.

Mas me diga uma coisa... vc sabe que em igreja, temos que ter um set versátil para tocar músicas dos mais variados ritmos e tal, ou seja, muitas vezes temos que ir do mais cristalino clean (com um chorus leve, e um delay) até o drive mais rasgadão para bases, e drive para solos. O AA290 está se comportando bem nesse aspecto? Como vc faz para alternar entre clean cristalino e drive pra solos? Aliviando a mão, ou somente na troca de canal do amp mesmo?

Muito obrigado mano!

Leandro C. Almeida disse...

Filipe, geralmente uso o canal limpo para sons muito limpos. Para sons crunch, bases e solos uso o canal de drive. Quando quero um som limpo, mas que soe quente, como nas músicas do Toque no Altar, uso o canal de drive e limpo no volume. Dá prá sentir mais a guitarra e colocar qualquer intensidade.

Aí eu uso um pedal de overdrive quando quero fazer algum solo sobre este mesmo canal, para dar uma boa saturada.

Já testei vários pedais de Overdrive neste canal, e praticamente todos ficaram bons, como o OCD, o OD-1 e o que uso hoje, que é o Fuzz Universe para solos ou base.

Tem vários pedais, como esse que tenho que possuem um booster limpo integrado. E eles ficam excelentes no canal de drive, pois adicionam mais saturação nas válvulas, deixando o timbre mais ardido e mais "nervoso" nas bases.

O canal HiGain eu uso pouco, pois o canal de Drive já me dá a versatilidade que preciso. Apenas quando quero uma coloração diferente uso este canal.

Dá uma conferida no meu último post para ver como controlo os volumes nos solos.

[ ]'s

Filipe dos Santos disse...

Assim que eu tiver com meu AA290, vou me lembrar dessas suas dicas, valeu mesmo! Já havia dado uma olhada no seu post, muito bom! Obrigado Leandro!

Quando tiver um tempo, dá uma olhada no meu blog, onde eu documentei o processo de construção da minha bateria eletrônica caseira: homemadedrums.blogspot.com

Vídeo da minha batera: http://www.youtube.com/watch?v=MRu96MFuDwA

Obrigado mais uma vez. Grande abraço!

Filipe dos Santos disse...

Leandro, cá estou eu denovo, rs. A guita que vc usou nas demonstrações tem caps singles, o que na teoria oferece um clean maior. Você já testou teu AA290 com caps humbucker? Como ele se saiu no CLEAN? Dá um volume bacana pra tocar com banda? Eu toco em um lugar de 12 x 25, o que dá um pouco menos que 200 pessoas por culto.

Estou muito em dúvida entre o 290 e o 296 justamente pelo clean. O 296 eu tenho certeza que me daria um clean bacana, porém perderia a incrível versatilidade que o 290 oferece.

Abraços!

Anônimo disse...

cara, como é o som deste amp? casa legal com pedais? Abraço

Leandro Almeida disse...

Cara, o som dá prá ver bem nos vídeos acima.
Essa questão de ampli casar ou não com pedais não existe... isto é balela de quem não entende direito de regulagens de pedais, ou equipamento ruim.

O ampli é excelente e o uso até hoje como meu ampli principal. E já toquei em muitos outros valvulados. Esse é meu xodó, com certeza :D

Ele tem um clean parecido com o do Blues Jr da Fender, mas com algumas características próprias que tornam o clean dele para mim mais bonito... O drive do canal crunch é maravilhoso. Dá prá ir de John Mayer até AC/DC fácil fácil.

O canal High Gain é bem forte. Eu costumo usar ele com um booster clean para dar mais realce de frequências nos solos e fica maravilhoso.


Se tiver uma boa guitarra, esse ampli vai fazer com que ela apareça de verdade.
Abs,

Anônimo disse...

Obrigado por responder cara. Só uma outra coisa: ele aguenta um ensaio ou pequena apresentação? Abraço e obrigado. Julio

Leandro Almeida disse...

Se aguenta!
Eu tenho o meu desde 2011 e toco quase toda semana fora, ás vezes 2 vezes em um lugar muito grande e vai de boas.
Se eu socar volume, até o batera reclama rsrsrsr
Abs,

Postar um comentário